Evangélicos e pastores se unem contra a proibição às manifestações religiosas imposta pela Fifa (12.06.10)

13/06/2010 13:36

 

As normas vigentes na Fifa sobre as proibições de manifestações religiosas, que serão válidas também na Copa do Mundo da África do Sul, desagradaram a Associação de Pastores Evangélicos do Paraguai (Apep). A associação, que reúne quase 1.800 pastores evangélicos, informou em comunicado sobre sua postura “após receber correspondências e ligações telefônicas de diferentes países nas quais expressam a preocupação pela suposta proibição de orar durante o Mundial da África do Sul”.

O documento menciona que “tal proibição é atribuída ao presidente da Fifa, Joseph Blatter”, que, segundo o texto, “teria manifestado que a oração incentiva a violência”. A Apep sustenta “que a oração nunca foi motivo para incentivar a violência” e que a mesma “incentiva a amizade, a fraternidade, a unidade, a tolerância e a paz”.

“Também recebemos a denúncia de que a Fifa proibiria, por exemplo, que um jogador mostre uma camisa com alguma inscrição relacionada a sua fé”, diz outro parágrafo do comunicado. “Isto também é inadmissível, porque atenta contra a liberdade religiosa e a liberdade de consciência, direitos consagrados em todas as Constituições Nacionais dos cinco continentes”, afirma a Apep.

Finalmente, os pastores evangélicos paraguaios, cujo país participará pela quarta vez consecutiva de um Mundial, solicitaram “encarecidamente às autoridades da Fifa, no caso que as denúncias que fazemos sejam verídicas, que deixem sem efeito as supostas proibições da oração e expressão de fé durante” a competição.

Fonte: Elnet / Gospel+ / Diario Gospel


Neste momento acessados